top of page

Hérnia do Disco (Discal)


A hérnia de disco é uma condição na qual o anel fibroso do disco intervertebral se encontra alterado, permitindo que aconteça um deslocamento do núcleo pulposo [1].

Existem 4 fases progressivas de herniação do disco, dependendo do grau do deslocamento do núcleo pulposo: abaulamento, protusão, extrusão e sequestro [2]. Esta herniação, pode ou não, levar à compressão de tecido nervoso ou da espinal medula [1], com maior probabilidade de acontecer posterolateralmente, onde o anel fibroso é mais fino e onde a estabilidade ligamentar é menor [1].


Em alguns casos pode levar ao aparecimento de diferente sintomatologia, como por exemplo dor, fraqueza muscular e alterações sensibilidade que por sua vez terá um impacto e diminuição da qualidade de vida [3] [4]. É importante salientar que no caso da dor lombar, pela sua complexidade, não existe uma correlação direta com a presença de alterações do disco [5], visto que há registos de população com herniação de disco sem qualquer tipo de sintomatologia, sendo inclusive achados bastante comuns em população assintomática [6].


O mecanismo explicativo mais comum para que o quadro de herniação se instale é a degeneração do disco, seguida do trauma [1]. Curiosamente, existe atualmente evidência científica que demonstra que um dos fatores mais relevantes para o aparecimento de hérnias discais é a componente genética/ hereditária, que pode, ou não, facilitar o surgimento deste tipo de quadros [7], existindo ainda outros fatores de risco para a degeneração do disco, como a idade, obesidade, diabetes, hiperlipidémia, hipertensão, hábitos tabágicos e de álcool [8] [9] [10] [11] [12].


O disco intervertebral, tal como muitas outras estruturas do corpo humano, é responsivo à carga mecânica, adaptando-se às demandas que lhe forem impostas [13]. Ao contrário daquilo que muitas vezes existe como crença, a aplicação de carga mecânica moderada (treino resistido por exemplo) aparenta ser importante na prevenção da degradação da matriz do disco, mas não um fator agravante da sua degradação [13].

Um estudo realizado por Maurer, et al., (2020) demonstrou uma correlação entre a inatividade física por longos períodos e as alterações degenerativas do disco [5] levantando a hipótese de que o sedentarismo possa ser um fator de risco para a herniação. Nesse mesmo estudo, demonstrou-se que homens que realizam atividade física regular pelo menos 1h por semana apresentavam redução significativa nas alterações de degeneração do disco [5]. Complementando estes achados, Takatalo J., et al., (2017) encontraram também uma associação protetiva da atividade física moderada para o disco intervertebral.


No artigo https://www.fisiointegral.pt/post/os-mitos-sobre-a-dor-na-coluna-vertebral, no subtítulo “A forma de sentar, levantar, fazer exercícios causa dor de costas “poderá encontrar a desmistificação da crença da relação com movimentos com a coluna fletida e o aumento de pressão nos diferentes segmentos da coluna.


Um estudo realizado por Suri P., et al., (2010) propôs-se a analisar os eventos de herniação e a frequência com que os utentes conseguiam identificar os momentos que causaram essa mesma herniação do disco, neste caso na região lombar, assim como encontrar associações entre esses momentos e a severidade dos sintomas. Os resultados revelam que a maior parte dos eventos de herniação ocorrem em momentos não específicos (62%). Quando os utentes conseguem identificar esses momentos, os mesmos consistem em atividades não relacionadas com treino resistido (26%), sendo as mais comuns as atividades do dia a dia e as atividades desportivas. Concluem ainda que não existe uma relação entre a capacidade de se identificar em concreto o evento e um quadro clínico mais severo. De salientar o fato de que apenas 6% dizem respeito a

eventos de herniação durante episódios que requeiram levantamentos de cargas elevadas. Estes aspetos reforçam ainda mais a segurança na prática de atividade física relacionada com treino resistido de alta intensidade [14].


Um diagnóstico de hérnia pode despoletar por si só um quadro de medo-evitamento, cinesiofobia, catastrofização, ansiedade, entre outros, naquele que o recebe [15] contudo não tem de ser uma sentença ou barreira à recuperação física.


Quando se analisa a história natural da herniação do disco, ou seja, a evolução prevista num indivíduo sem exposição a qualquer intervenção, verifica-se a probabilidade da situação se reverter espontaneamente [16] O conceito de regressão espontânea refere-se a uma diminuição da dimensão, área ou até mesmo resolução do quadro de herniação, que curiosamente, parece ser maior quanto maior for a gravidade da mesma herniação [16]. O estudo de Chiu, et al., (2015) concluiu que a probabilidade de regressão espontânea dos diferentes estádios de herniação do disco: sequestração, extrusão, protusão e degeneração do disco, estando respetivamente designadas da lesão mais extensa para a menos extensa, é de 96% na sequestração, 70% na extrusão, 41% na protusão, e, por fim, 13% na degeneração do disco.


No que diz respeito ao tratamento desta condição existem duas categorias principais, o tratamento cirúrgico e o tratamento conservador.

O cirúrgico consiste maioritariamente na discectomia, ou seja, remoção de parte ou totalidade do disco intervertebral [17].

A existência de mais que um tipo de tratamento permite adequar e escolher o mesmo de acordo com a condição clínica do utente. Um estudo realizado por Gugliotta, et al., (2016) comparou o tratamento conservador e cirúrgico para casos de herniação de disco lombar. Verificou-se que não existem diferenças na redução da severidade da condição, melhoria da qualidade de vida dos utentes a medio-longo prazo entre os dois tipos de tratamento. Verificou-se, sim, um alívio da dor mais célere (dentro das 3 semanas seguintes) com o tratamento cirúrgico, no entanto sem diferenças após os 3 meses [17].

Os mesmos achados foram encontrados noutro estudo, no qual se deu seguimento por um período de 2 anos a 283 utentes sujeitos a tratamento conservador ou cirúrgico [18]. Após esse período não se verificaram diferenças nos resultados entre os dois tipos de tratamento. Efetivamente existe uma melhoria mais rápida no alívio da dor, neste caso dos membros inferiores, e um regresso mais rápido às atividades do dia a dia com o tratamento cirúrgico, no entanto sem diferenças significativas além dos 6 meses comparativamente ao conservador [18].


O tratamento conservador consiste em fisioterapia, aplicação de diferentes adaptações ergonómicas necessárias, e intervenção farmacológica, se prescrita pelos profissionais indicados [17].


Tal como mencionado, os discos intervertebrais, além de possuírem uma robustez tecidular significativa, têm também capacidade de adaptação conforme a carga mecânica que lhes for imposta [13]. Estas adaptações poderão ser variáveis conforme o tipo de estímulo, frequência, intensidade e duração.

Em jeito de resumo, e de forma a simplificar, Walsh e Lotz (2004) reportaram que em comparação a estímulos de maior frequência e cargas mais baixas a utilização de exercícios de menor frequência e maior intensidade (mais carga por exemplo) induzem mais adaptações positivas ao nível estrutural do disco [19]. Estes achados estão de acordo com o estudo de Maclean, et al., (2004) e o estudo de JLotz C., et al., (1998)., que perceberam que a resposta anabólica (“positiva”) depende de estímulos pouco frequentes e a catabólica (“negativa”) depende de estímulos muito frequentes, como por exemplo os movimentos repetitivos e sem variabilidade a nível laboral [20, 21]. Além destas caraterísticas perceberam também que estímulos físicos com recurso a cargas baixas não permitem uma expressão suficiente de genes para induzir uma resposta anabólica [22].

Relativamente à aplicação de cargas compressivas estáticas ou dinâmicas, a carga dinâmica é aquela que permite então os efeitos positivos [23]. Exercícios que se baseiem em movimentos repetitivos com carga, como o treino de força por exemplo, permitirá então gerar adaptações benéficas para a evolução favorável dos quadros [24].

A realização de movimentos dinâmicos, por exemplo de extensão e flexão como no caso de exercícios isolados de extensão lombar, permitem variar a pressão em diferentes regiões do disco que por sua vez potencia o fluxo de fluídos pelo disco nutrindo-os e hidratando-os [25]. Esta reidratação dos discos é outro aspeto no qual o exercício assume um papel relevante neste tipo de condição, na medida em que a diminuição da hidratação do disco encontra-se regularmente presente nos processos degenerativos [24, 26].


A fisioterapia, além da integração de exercício e atividade física ajustada à diferente sintomatologia, com base na exposição gradual à carga ou atividade, deve procurar também educar o utente sobre a condição. Em conjunto, deverão criar diferentes estratégias para gestão da mesma sintomatologia fora do contexto clínico e, se necessário, recorrer a diferentes meios para modulação de sintomas, como por exemplo os meios eletrofísicos ou a terapia manual.


Artigo desenvolvido por:

Nuno Teixeira

Fisioterapeuta Especialista em Exercício Clínico e Performance da Fisiointegral (OF 1311)


Bibliografia e Leitura Recomendada

[1] M. Dydyk, R. Massa e F. Mesfin, “Disc Herniation,” StatPearls, 2023.

[2] R. Amin, N. Andrade e B. Neuman, “Lumbar disc herniation,” Curr Rev Muscoskelet Med 10(4):, p. 507–516, 2017.

[3] K. Otani, S. Kikuchi, S. Yabuki, T. Igarashi, T. Nikaido, K. Watanabe e S. Konno, “Lumbar spinal stenosis has a negative impact on quality of life compared with other comorbidities: an epidemiological cross-sectional study of 1862 community-dwelling individuals,” Scientific World Journal, 2013.

[4] T. Benzakour, V. Igoumenou, A. Mavrogenis e A. Benzakour, “Current concepts for lumbar disc herniation,” Int Orthop, 2019.

[5] E. Maurer, C. Klinger, R. Lorbeer, W. Rathmann, A. Peters, C. Schlett, K. Nikolaou, F. Bamberg, M. Notohamiprodjo e S. Walter, “Long-term effect of physical inactivity on thoracic and lumbar disc degeneration-an MRI-based analysis of 385 individuals from the general population,” Spine J., 2020.

[6] R. Kasch, J. Truthmann, H. M., C. Maher, M. Otto, C. Nell, N. Reichwein, R. Bülow, J. Chenot, A. Hofer, G. Wassilew e S. C., “"Association of Lumbar MRI Findings with Current and Future Back Pain in a Population-Based Cohort Study," SP,” SPINE, 2022.

[7] M. Battié, T. Videman, J. Kaprio, G. L., K. Gill, H. Manninen, J. Saarela e L. Peltonen, “The Twin Spine Study: contributions to a changing view of disc degeneration,” Spine J., 2009.

[8] H. M., K. Kaneoka, S. Kuno, S. Hinotsu, M. Sakane, N. Mamizuka, S. Sakai e N. Ochiai, “Factors associated with lumbar intervertebral disc degeneration in the elderly,” Spine J., 2008.

[9] M. Teraguchi, N. Yoshimura, H. Hashizume, H. Yamada, H. Oka, A. Minamide, K. Nagata, Y. Ishimoto, R. Kagotani, H. Kawaguchi, S. Tanaka, T. Akune, K. Nakamura, S. Muraki e M. Yoshida, “Progression, incidence, and risk factors for intervertebral disc degeneration in a longitudinal population-based cohort: the Wakayama Spine Study,” Osteoarthritis Cartilage, 2017.

[10] X. Liu, F. Pan, Z. Ba, S. Wang e D. Wu, “The potential effect of type 2 diabetes mellitus on lumbar disc degeneration: a retrospective single-center study,” J Orthop Surg Res., 2018.

[11] W. Huang, Y. Qian, K. Zheng, L. Yu e X. Yu, “Is smoking a risk factor for lumbar disc herniation?,” Eur Spine J., 2016.

[12] M. Matsumoto, E. Okada, D. Ichihara, K. Watanabe, K. Chiba, Y. Toyama, H. Fujiwara, S. Momoshima, Y. Nishiwaki, T. Hashimoto e T. Takahata, “Age-related changes of thoracic and cervical intervertebral discs in asymptomatic subjects,” Spine, 2010.

[13] A. Ruffilli, G. Viroli, S. Neri, M. Traversari, F. Barile, M. Manzetti, E. Assirelli, M. Laluna, F. Vita e C. Faldini, “Mechanobiology of the Human Intervertebral Disc: Systematic Review of the Literature and Future Perspectives,” Int. J. Mol. Sci., 2023.

[14] P. Suri, D. Hunter, C. Jouve, C. Hartigan, J. Limke, E. Pena, B. Swaim, L. Li e J. Rainville, “Inciting events associated with lumbar disc herniation,” Spine J, 2010.

[15] D. Friedman, L. Tulloh e K. Khan, “Peeling off musculoskeletal labels: sticks and stones may break my bones, but diagnostic labels can hamstring me forever,” Br J Sports Med, 2021.

[16] C. Chiu, T. Chuang, K. Chang, C. Wu, P. Lin e W. Hsu, “The probability of spontaneous regression of lumbar herniated disc: a systematic review,” Clin Rehabil., 2015.

[17] M. Gugliotta, B. Costa, E. Dabis, R. Theiler, P. Jüni, R. S., H. Landolt e P. Hasler, “Surgical versus conservative treatment for lumbar disc herniation: a prospective cohort study,” BMJ Open, 2016.

[18] W. Peul, W. Hout, R. Brand, R. Thomeer e B. Koes, “Prolonged conservative care versus early surgery in patients with sciatica caused by lumbar disc herniation: two year results of a randomised controlled trial,” BMJ, 2008.

[19] A. Walsh e J. Lotz, “Biological response of the intervertebral disc to dynamic loading,” J Biomech, 2004.

[20] J. Lotz, O. Colliou, J. Chin, N. Duncan e E. Liebenberg, “Compression-induced degeneration of the intervertebral disc: an in vivo mouse model and finite-element study,” Spine, 1998.

[21] J. Maclean, C. Lee, M. Alini e J. Iatridis, “Anabolic and catabolic mRNA levels of the intervertebral disc vary with the magnitude and frequency of in vivo dynamic compression,” J Orthop Res, 2004.

[22] J. MacLean, C. Lee, M. Alini e Iatridis, “The effects of short-term load duration on anabolic and catabolic gene expression in the rat tail intervertebral disc,” J Orthop Res, 2005.

[23] D. Wang, S. Jiang e L. Dai, “Biologic response of the intervertebral disc to static and dynamic compression in vitro,” Spine, 2007.

[24] J. Steele, S. Bruce-Low, D. Smith, N. Osborne e Thorkeldsen, “Can specific loading through exercise impart healing or regeneration of the intervertebral disc?,” Spine J, 2015.

[25] S. Bruce-Low, D. Smith, S. Burnet, J. Fisher, G. Bissell e L. Webster, “One lumbar extension training session per week is sufficient for strength gains and reductions in pain in patients with chronic low back pain ergonomics,” Ergonomics, 2012.

[26] S. Ferguson e K. Nolte, “Fluid flow and convective transport of solutes within the intervertebral disc,” J Biomech., 2004.

[27] J. Takatalo, J. Karppinen, S. Näyha, S. Taimela, J. Niinimäki, R. Sequeiros, T. Tammelin, J. Auvinen e O. Tervonen, “Association between adolescent sport activities and lumbar disk degeneration among young adults,” Scand J Med Sci Sports, 2017.

[28] J. Steele, B.-l. S., S. D., N. Osborne e A. Thorkeldsen, “Can specific loading through exercise impart healing or regeneration of the intervertebral disc?,” The Spine Journal, 2015.

36 views0 comments

Recent Posts

See All

Comments


bottom of page