top of page

Terapia de casal. Quando recorrer?



Optar por realizar Terapia de casal (TC) pode parecer um grande passo. Envolve admitir que as coisas não estão perfeitas na sua relação, o que muitas vezes é difícil e assustador. E se não está particularmente familiarizado/a com o que é a terapia, pode parecer misterioso e confuso.

A TC é um tipo de terapia que pode ajudar um casal a superar problemas na sua relação e melhorar a sua comunicação. O objetivo principal é fazer com que as relações funcionem melhor para os casais em dificuldades.

Nem todos precisam de TC. Em alguns casos, a resolução de conflitos de relacionamento é possível por si mesma, mas se tiver a mesma discussão vezes sem conta com o seu parceiro sem qualquer resolução, talvez seja altura de consultar um terapeuta.


Existe o preconceito de que quem faz TC se quer separar ou está em rutura iminente. Porém, a TC, na verdade, possibilita reinvestir no relacionamento, redefinindo as suas bases, revendo acordos e melhorando a comunicação entre os pares.

Ao procurar ajuda de TC, pelo menos um dos elementos do casal acredita que é possível restabelecer a comunicação. Apesar de ser uma competência essencial, na maioria dos relacionamentos em crise, o diálogo está comprometido. Na Terapia, ambos/as poderão aprender (ou reaprender) a expressar opiniões negativas, aprender a fazer elogios ou pedir ajuda. A comunicação passa a ser assertiva, não agressiva. É estimulada a atenção para pequenos gestos de carinho, a consideração pelo/a outro/a, o aumento da intimidade bem como o respeito pelo espaço pessoal de cada elemento do casal.

A imparcialidade do/a psicoterapeuta possibilita, muitas vezes, a reaproximação do casal, resgatando o que os atraiu e uniu inicialmente. No entanto, é importante frisar que nem sempre isso acontece, dependendo, em grande parte, do tempo esperado para iniciar o processo ou de outras variáveis que motivaram o pedido de auxílio.


Estes são alguns exemplos indicadores de que o casal poderá beneficiar de acompanhamento especializado:

· Quebra de confiança num dos elementos do casal (Uma das razões mais comuns para procurar TC é a necessidade de ajuda para superar uma grande quebra de confiança. Exemplo: infidelidade na forma de sexo; envolvimento emocional; mentiras ou enganos sobre o dinheiro. Em todo o caso, a reconstrução da confiança pode, muitas vezes, ser ajudada através da criação de um espaço em que ambas as partes são livres de expressar as suas vulnerabilidades);

· Aumento da frequência das discussões;

· Dificuldades de comunicação (Aumento da sensação de não se ser escutado/a ou ignorado/a, ou dificuldade em perceber o estado emocional do/a companheiro/a);

· Ajuda para a identificação do que poderá estar errado na relação (Por vezes a TC é útil, à semelhança da Terapia Individual, não só para resolver problemas, mas também para identificá-los, sobretudo quando é sentido pelo casal que algo não está bem);

· Ajuda para revelar algo ao parceiro/a (O espaço terapêutico é um local seguro, confidencial e de suporte para a revelação de assuntos difíceis, na presença de um profissional treinado, para ajudar a desbloquear e ultrapassar os seus receios);

· Apoio à gestão de conflitos/discussões no casal;

· Suporte na gestão de acontecimentos difíceis ou traumáticos, associados a lutos ou perdas significativas, desemprego, crises diversas que impactam o funcionamento do casal;

· Dificuldades de intimidade Emocional ou Sexual.


Importante: A terapia de casal não é destinada para trabalhar no contexto de relações abusivas ou tóxicas onde um parceiro/a controla ou tenta controlar o/a outro/a. Nestes casos, a exposição associada ao processo terapêutico pode, inclusivamente, piorar os problemas, podendo levar a que um/a abusador/a se torne zangado/a ou violento/a. Nestes casos, recomenda-se uma abordagem individual, no sentido de obter orientações específicas para lidar com a situação, bem com as consequências psicológicas/emocionais que se possam fazer sentir.


Se pretende iniciar uma terapia de casal, saiba que poderá potencialmente estar a salvar a sua relação.


Por Vitor Lourenço - (Especializado em Psicologia Clínica, Terapia de Casal e Sexologia Clínica).

Siga-nos nas redes sociais FACEBOOK | INSTAGRAM | YOUTUBE

101 views0 comments

Recent Posts

See All
bottom of page