Torcicolo congénito. Como a fisioterapia pode ajudar.


O torcicolo muscular congénito é uma condição relativamente frequente nos bebés e está relacionado com uma alteração na estrutura de um músculo do pescoço, o músculo esternocleidomastoideu, podendo ou não estar presente um nódulo palpável no seu ventre muscular.


Pode ser detetado logo após o parto ou, mais tarde, ser diagnosticado pelo pediatra ou detetado pelos pais, ao longo dos primeiros meses de vida. Não se sabe ao certo a origem deste tipo de lesões, contudo são frequentemente associadas à posição fetal nos últimos meses da gravidez, pressão intrauterina inadequada ou ainda estar relacionado com o tipo de parto.

Nestas situações, o bebé apresenta tipicamente uma maior tendência para manter a cabeça inclinada para um dos lados e preferência para rodar o pescoço para o lado oposto, podendo apresentar limitação das amplitudes dos movimentos para o lado contrário. Para além disso, os bebés com torcicolos podem apresentar assimetrias nas orelhas e/ou na mandíbula, assimetrias visuais, em que normalmente o olho do lado do torcicolo se apresenta mais fechado, e muito comummente, assimetrias no crânio, conhecidas como plagiocefalias. É também frequente observar-se alterações posturais a nível do tronco e, por vezes, a nível do membro superior comparativamente ao outro. Dependendo da idade e fase de desenvolvimento do bebé, estas alterações podem ter implicações a nível do desenvolvimento motor.

Os torcicolos congénitos normalmente apresentam uma boa evolução, contudo devem ser bem avaliados e acompanhados, para uma resolução completa e para evitar algum tipo de complicação a longo prazo.


A intervenção em Fisioterapia deve iniciar o mais precocemente possível e tem como objetivos melhorar o controlo dos movimentos da cabeça e cervical do bebé e integrá-los no esquema corporal, prevenir e/ou, dependendo dos casos, normalizar as assimetrias da face e do crânio presentes e estimular o desenvolvimento do bebé de forma harmoniosa em ambos os lados do corpo. Para além disso, o fundamental de todo o processo é o ensino aos pais, para que possam integrar os cuidados nas rotinas

diárias do bebé, de modo a dar continuidade e potenciar os resultados e o sucesso na reabilitação do bebé.


Ficou com dúvidas? Quer saber mais sobre o assunto? O seu bebé apresenta alguma das alterações descritas? Gostaria de perceber melhor o papel da Fisioterapia nos torcicolos? Contacte-nos! Estamos aqui para ajudar.


Por Cristina Correia - (especializada em Fisioterapia Pediátrica, Fisioterapia Respiratória Pediátrica e Osteopatia Infantil).


Siga-nos nas redes sociais FACEBOOK | INSTAGRAM | YOUTUBE

25 views0 comments

Recent Posts

See All