Fisioterapia pélvica na Endometriose



Quantas vezes já ouviu dizer: “estou com dores, mas é normal porque estou com o período”? Com certeza mais do que devia. Mas deixe que lhe diga desde já: as dores menstruais não são normais.

Muitas mulheres vivem com este problema, todos os meses. Dores lancinantes, agonizantes e completamente incapacitantes. E só depois de muitos anos de sofrimento e de muitas tentativas falhadas de convencer alguém de que tinham um problema, se chega a um diagnóstico (quando se chega): ENDOMETRIOSE.


O que é?

Endometriose é quando o endométrio, a parede interna do útero, cresce e se aloca fora dele. Este tecido comporta-se como tecido uterino normal, sendo sensível à variação hormonal normal, desfazendo e sangrando a cada ciclo menstrual. Porém, este sangue não tem por onde ser expelido, provocando inchaço e inflamação nas áreas circundantes. Com o tempo, o tecido cicatricial e as lesões resultantes deste processo acumulam-se, tornando a menstruação cada vez mais difícil de suportar.

Existem três tipos principais de endometriose, de acordo com o local onde o tecido se aloja:

- Lesão peritoneal superficial: a mais comum. As lesões são ao nível do peritoneu, uma membrana serosa que envolve a cavidade pélvica.

- Endometrioma (lesão ovárica): pequenos cistos escuros e cheios de líquido que se formam nos ovários. Não respondem bem aos tratamentos e podem danificar tecido saudável.

- Endometriose profunda: cresce por baixo do peritoneu e pode envolver os órgãos da cavidade abdominal.


Horrível, não acha? E se lhe disser que esta doença afeta cerca de 1 em cada 10 mulheres no mundo inteiro? Uma estimativa aproximada, uma vez que o diagnóstico é extremamente difícil de encontrar. A média de tempo para chegar a um diagnóstico de endometriose ronda os 9 anos.

É importante saber identificar sinais e sintomas, em si ou em quem lhe é mais próximo para que a ajuda chegue a cada vez mais pessoas, cada vez mais cedo.


Sinais e sintomas de endometriose:

- Dor lombar durante a menstruação;

- Dores menstruais severas;

- Dor ao urinar ou evacuar, especialmente durante a menstruação;

- Grande fluxo menstrual;

- Sangue nas fezes ou na urina;

- Diarreia ou obstipação;

- Dor sexual;

- Fadiga persistente;

- Dificuldade em engravidar.

Os tratamentos incluem medicação anti-inflamatória, terapia com hormonas e cirurgia.


O que a fisioterapia pode fazer por si?

A fisioterapia ajuda na gestão da dor e no alívio da tensão muscular e do tecido conjuntivo no local das lesões e respetivo tecido cicatricial.

A endometriose causa lesões, cicatrizes e aderências ao nível da cavidade abdominal e em torno dos órgãos pélvicos. Quando as aderências são repuxadas, a dor aumenta. A fisioterapia ajuda a minimizar este repuxamento, alongando o tecido muscular e fascial do abdómen. A fisioterapeuta pode também ajudá-la em caso de presença de disfunção sexual ou dor na prática sexual, no caso de obstipação ou raquialgias.

Se sofre de menstruações dolorosas e se identifica com este texto, ainda que não tenha um diagnóstico de endometriose, é importante que saiba que a fisioterapia pode ajudar mesmo assim. Com técnicas certas de relaxamento, alongamento, libertação miofascial e exercício, pode regular e apaziguar essa dose mensal de desconforto, potenciando um ciclo menstrual mais tranquilo, estável e confortável.


Para finalizar, deixamos-lhe algumas dicas sobre como aliviar os sintomas da dor menstrual:

- Tome banhos quentes;

- Coloque uma botija de água quente ou emplastro térmico na barriga;

- Faça exercício regular;

- Pratique uma dieta equilibrada e anti-inflamatória.


Lembre-se: DOR MENSTRUAL NUNCA É NORMAL. Peça ajuda. Estamos aqui para o melhor aconselhar!


Por Rita Fernandes - (especializada em Fisioterapia Uroginecológica - Saúde da Mulher).


Siga-nos nas redes sociais FACEBOOK | INSTAGRAM | YOUTUBE