A Lombalgia pode ser mais uma dor de cabeça que uma dor de costas



Neste artigo vai saber como podem os factores psicológicos influenciar a dor lombar (Lombalgia).


Como pode a forma como se sente psicologicamente influenciar o bem-estar da sua lombar. Como a sua relação com a profissão e os factores específicos da mesma influenciam a sua dor e, mais especificamente, a sua dor lombar.


Vai perceber a razão pela qual factores como o stress, o ritmo de trabalho, o conflito trabalho-família, ambiente de trabalho, instabilidade laboral e horas de trabalho podem produzir dor lombar.


Vai saber porque da próxima vez que sentir uma dor de costas, poderá ter de olhar para alguns elementos da sua vida em vez de tomar um comprimido.


Antes de começar e contribuindo já para o a solução de parte do que vai ler, recomendo que visite a Life Performance, uma plataforma com estratégias e ferramentas sobre saúde e performance. Pode fazê-lo através do site da Fisiointegral, em: www.fisiointegral.pt >> Life Performance (no menu principal), ou clicando no botão abaixo.



Alguns números

São 4600 milhões de euros o custo anual da dor crónica em Portugal, onde se inclui a dor lombar. Destes, 738,85 milhões representam o custo indirecto da dor lombar no mundo laboral em Portugal, devido ao absentismo (baixas médicas) e redução do volume de emprego. Só por curiosidade, nos Estados Unidos, este valor pode ascender aos 90 Biliões de dólares anuais.


Daqui já se levanta o primeiro paradoxo, que nos deve fazer refletir na solução. O mesmo meio que utiliza um indivíduo como elemento funcional, é por si mesmo uma das razões que diminui a funcionalidade desse indivíduo.


A dor lombar

A dor lombar (o mesmo que lombalgia) é caracterizada por uma dor na região mais baixa das costas (região lombar). Estima-se que 80% da população mundial (ou mais) vá experimentar alguma forma de dor lombar ao longo da sua vida, por isso, aguarde que sua vez vai, muito provavelmente, chegar também. Só que agora vai estar mais preparada(o).


A dor lombar pode surgir por factores específicos, com a existência de uma razão identificada, como uma hérnia discal ou uma lesão muscular provocada por trauma (uma queda, ou pancada). Ou por factores inespecíficos, ocorrendo nas lombalgias que não apresentam uma causa bem identificada (o mais comum), mas que por alguma razão, a pessoa sente dor lombar.


E é em parte destes factores, aparentemente, inespecíficos que nos vamos centrar. Pois são causas sentidas e vividas mental e emocionalmente pelas pessoas, que vão depois manifestar-se no seu corpo, principalmente na região lombar. A velha conhecida somatização (quando a mente/psique manifesta as suas dores no corpo físico).


De seguida vamos falar brevemente de algumas causas que podem estar presentes na origem da dor lombar. Saliento que a influência destes factores podem demorar muito tempo até se manifestarem. Tudo depende da resistência e da resiliência de cada pessoa que os experiencia. Ressalvar também que, apesar de apresentar algumas sugestões de solução, o seu caso pode precisar da ajuda de um profissional. Por isso, não hesite em procurar a ajuda de um.


Stress

Sabemos já que quando a pessoa está exposta ao Stress, ou se é mais ansiosa, o seu cérebro (mais precisamente a Amigdala) vai percepcionar a(s) situação(ões) como uma ameaça e vai querer preparar-se para ela, agindo por antecipação. Vai preparar-se entrando em modo alerta, colocando-se no estado de “Luta ou Fuga”, criando uma resposta fisiológica antecipatória, que pode incluir, entre outras coisas, uma postura mais defensiva e o aumento da tensão muscular. Este fenómeno pode gerar um stress biomecânico, ou sobrecarga, sobre a região lombar, podendo gerar dor. Igualmente, quando este estado fisiológico, é mantido no tempo (stress crónico), pode influenciar o sistema imunitário a aumentar a sua resposta inflamatória, podendo aumentar ou agravar a dor ou disfunção.


Além de “atacar” os sintomas, devemos ser curiosos, inconformados e exigentes, procurando perceber quais os factores que causam esse stress. Pois só assim poderemos agir sobre eles, actuando sobre a causa e não só sobre os sintomas, neste caso a dor.


Por exemplo se a origem do stress for o trabalho, deve perceber quais os factores específicos que mais causam stress e ameaça e tentar modificá-los. Será o horário, o número de horas, os colegas, o tipo de trabalho, os clientes? Depois de bem identificados os factores, deve adoptar estratégias para diminuir a sua exposição a esses factores, minimizando o impacto que têm em si.


Caso a sua situação seja grave, ou simplesmente não se sinta capaz de a resolver, procure sempre a ajuda de um profissional.


Factores psicológicos relacionados com o trabalho

As estruturas da organização do trabalho e as características do trabalho mudaram profundamente durante o processo de globalização. A intensificação da competitividade económica global, o uso crescente de tecnologias da informação, a expansão contínua dos setores de serviços, o aumento da participação das mulheres no trabalho, a desregulamentação, o aumento da abertura política e cultural e o crescimento flutuante da economia têm sido vistos como características da globalização que remodelam as formas como as pessoas costumavam trabalhar e aumentaram as complexidades dos fatores de risco psicológicos no local de trabalho.


Neste âmbito, os principais factores que mais afetam a pessoa, podendo gerar dor lombar são:

  • desequilíbrio entre vida familiar e laboral;

  • exposição a um ambiente laboral hostil;

  • instabilidade profissional.


E estas são perguntas que deve fazer para descobrir quais deles a(o) está a afectar mais e quanto:

  • é fácil para mim conjugar as minhas responsabilidades profissionais com as responsabilidades familiares?

  • Nos últimos 12 meses, senti-me ameaçada(o), assediada(o), ou senti algum tipo de pressão excessiva, no meu local de trabalho?

  • Sinto alguma preocupação sobre a manutenção do meu emprego (ou empresa)?

Não fique parada(o) e responda a estas perguntas. Use uma escala de 0 a 10 e diga quanto é que estes factores estão presentes na sua vida.


Estes factores podem fazer-nos sentir frustrados, cansados, sem esperança, saturados, desmotivados e com stress suficiente para gerar uma dor psicológica, que se somatiza no corpo, transformando-se numa dor física.


Horas de trabalho

O número de horas que passa a trabalhar vai influenciar o seu estado psicológico e fisiológico, podendo contribuir para a sua dor. Estudos mostram que quem trabalha acima das 40 horas semanais, tem maior probabilidade de ter dor lombar. E esse risco aumenta acima das 60 horas.


Muitas dessas horas de trabalho extra são fruto das distrações (como as redes sociais) e da desorganização (da agenda e do trabalho em si). A desorganização é um dos factores que mais gasta o precioso tempo aos trabalhadores e às organizações. A desorganização gera caos e diminui o controlo, o foco e a eficácia, diminuindo, consequentemente, a capacidade de resposta e a produtividade.


Desta forma, o tempo livre para concluir as tarefas laborais, familiares e pessoais, diminui com o número acrescido de horas que trabalha. Isso gera frustração, desespero e, literalmente, o seu tempo útil de vida.


Assim, comece por organizar a sua agenda, o seu dia de trabalho e as tarefas que vai realizar por dia e por semana. De seguida, organize a o seu local de trabalho, começando pela sua secretária, computador ou banca de trabalho. Passe depois para o seu carro, o seu quarto e o seu armário. Vá “destralhando” a sua vida, simplificando-a e automatizando tudo o que puder. Assim, vai elevar o seu nível de performance, criando tempo onde nem imaginava que existia.


"Embora não existam mundos perfeitos, nada nos impede de aperfeiçoar o nosso."


Factores laborais organizacionais

Outros factores que influenciam o seu estado mental e fisiológico são:

  • o tipo de trabalho/profissão que desempenha;

  • o tipo de vínculo laboral;

  • se trabalha por turnos.

O nosso cérebro gosta de ter as coisas controladas e de viver num ritmo regular. Ao trabalhar por turnos, pode desregular processos tão importantes para a saúde como a alimentação e o sono. Quando isso acontece, o organismo vai estar em constante processo de resposta, o que contribui para um maior desgaste, aumentando o risco de dor lombar.


A satisfação e realização pessoais, são dos factores mais importantes para o seu bem-estar e felicidade. Embora não existam mundos perfeitos, nada nos impede de aperfeiçoar o nosso. Responda às seguintes questões, no sentido de refletir e perceber se o que faz profissionalmente está alinhado com a sua missão e propósito de vida (utilize uma escala de 0 a 10):

  • Gosta do que faz profissionalmente?

  • Sente-se motivada(o) quando pensa no seu trabalho ou vai trabalhar?

  • No final do dia e do mês, tem um sentimento de realização e satisfação? Porquê?

  • Sente que o que faz tem um impacto positivo nos outros?

  • Em que medida a sua prestação contribui para o mundo ou humanidade? Que problemas resolve?


Agora já tem algumas conclusões por onde começar…


Tempo de lazer

Quanto tempo investe no seu lazer e em coisas que gosta?


Sabia que este é outro factor de risco para o surgimento de dor lombar (e não só)?


O tempo passado em actividades lúdicas permite “desligar” dos problemas e diminuir o stress. É uma oportunidade de mudar o seu registo mental, de variar o seu contexto e expor-se a novos estímulos, de gerar prazer e satisfação, de conhecer e conviver com novas pessoas alargando a sua dimensão social. E isso diminui o risco de dor.


A actividade física é sempre uma boa forma de passar tempo livre. As orientações para a saúde aconselham 30 minutos de actividade física de intensidade moderada, 5 vezes por semana, ou 20 minutos de actividade física vigorosa, 3 vezes por semana. Neste ponto pode conjugar o benefício para a saúde em geral, com alguma actividade específica para a sua região lombar.


Em resumo

O modo de vida que assumimos hoje, com toda a exigência que nos é imposta e que colocamos a nós próprios, gera um desgaste mental e corporal que se manifesta a vários níveis da vida, com várias manifestações corporais. Uma delas é a dor lombar.


Este artigo visou expor alguns factores mais subjectivos e inespecíficos, que contribuem para o surgimento da dor lombar, abrindo o seu espectro de percepção sobre o tema.

Agora que já conhece um pouco mais sobre a dor e sobre a dor lombar; agora que já aumentou a sua consciência sobre a forma como o seu modo de vida, de pensar e de sentir podem influenciar o seu corpo e as suas costas, vai conseguir melhorar a sua vida e a saúde da sua lombar.


Claro que cada caso tem os seus contornos específicos e individuais. E que o seu caso pode precisar de uma ajuda ou de um empurrão para começar. Para isso existem os profissionais especializados, com programas e ferramentas específicas.


Se for essa a sua condição, não hesite em procurar um profissional para a(o) ajudar a perceber e resolver a origem dos seus sintomas, em particular da dor lombar.


Entretanto, considere a minha recomendação inicial e comece por visitar a Life Performance


Um grande abraço e se quiser deixar o seu comentário ou dúvida, pode enviar para mc@mariofcosta.com

528 views0 comments